quarta-feira, outubro 10

Touché!

A justiça da Argentina condenou ontem a prisão perpétua o sacerdote católico Christian Von Wernich, o primeiro religioso condenado por crimes contra a humanidade durante a última ditadura militar (1976-1983). O ex-capelão da polícia da Província de Buenos Aires, 68 anos, foi condenado com a pena máxima prevista pelas leis locais por ter participado em sete homicídios qualificados, 31 casos de tortura e 42 privações ilegais de liberdade.

5 criaturas afundaram esta pérola:

amsf disse...

E como esse padre há outros no Iraque a justificar os crimes de soldados americanos e a lhes anestesiar as consciências. Do outro lado estão os mohlas a fazer o mesmo. Se não possuisse justificações racionais para ser ateu teria aqui uma boa justificação.
As religiões são mecanismos psicológicos a que o ser humano recorre para enfrentar a sua finitude, a sua morte definitiva!

blueminerva disse...

Nem mais caro amsf, a religião é de facto um instrumento perigoso.
bjs

José disse...

"Se não possuisse justificações racionais para ser ateu teria aqui uma boa justificação."

Ora aqui está uma falácia muito comum ... O que é que a acção de alguns homens justifica, ou não, a existência de um Deus? Como pode ver na acção de alguns homens, por oposição a tanta e tanta gente que pratica o bem e dá muito á sociedade, o reflexo da inexistência de Deus?
As pessoas tendem a não distinguir entre religiosidade e espiritualidade. A primeira, a religião, pode ser, de facto, um instrumento muito perigoso quando é encarada de forma ritualista e mecânica, sem reflectir sobre o seu significado.
A espiritualidade, a crença em algo Absoluto, parte de dentro, da intencionalidade das nossas acções, das nossas motivações. Não vou discutir, aqui, a racionalidade da existência de Deus. Mas não tentem adivinhar o Ser pela Sua sombra...

JDC

amsf disse...

Não se preocupe que a minha negação de deus não advém da sua má sombra mas de perceber que o deus de cada um (a verdade é que não há um só deus) é uma projecção dos anseios, temores e esperanças. deus não existe, o que existe são condições psicológicas (medo, esperança, etc) e naturais (morte) para que o sr. humano tenha necessidade de o criar.

No entanto devo referir que fez bem em salientar que aquela situação não é razão suficiente para não acreditar na existência de deus. Realmente foi redutor pois não esperava ter aqui alguém tão atento.

Anónimo disse...

Se o mesmo fosse feito um pouco por esse mundo fora, não haveriam cadeias para albergar tanto assassino. É que em nome de Deus já se limpou a tosse a muita gente. E ainda se limpam muitas alminhas em nome de Cristo, Ála, Maomé, Buda, etc,etc.
Grande Juíz, era um desses que era preciso para julgar aqui o Papa do futebol português.

NAFC