sábado, abril 4

Interlúdio

Há sempre quem fique depois do fim. Há sempre quem se aninhe na penumbra da noite. Há sempre quem segure a cortina. Há sempre quem insista num último trago de vinho, um último cigarro, porque há sempre quem não tenha para onde ir. E quando a juventude se esgota, quando já não resta mais nada, nem copos, nem cigarros, e mesmo quando as palavras emudecem, há sempre quem fique depois do fim. Como tu. Como eu.



Talvez, haja jornadas que estejam destinadas a cumprir-se na recusa do regresso.

10 criaturas afundaram esta pérola:

pinguim disse...

Que belas palavras; e ao som desta música, apetece mesmo não ir embora...
Beijinho muito amigo.

Flower of desert disse...

Mesmo se esgotando a juventude resta sempre alguma coisa, pois estamos vivos, podemos já não ser jovens por fora mas podemos ainda o ser por dentro, e assim cumpriremos a nossa jornada mesmo depois do fim.

Fernanda disse...

Olá Blue

O problema não é ficar depois do fim,...quando já as luzes estão na neblina e já restam muito poucos...
O problema está é no que se sente quando se diz,...até amanhã...
A solidão não é triste,...triste é sentirmo-nos sozinhos.


Um abraço e bom fim de semana

Barbie Martini disse...

Desafio para ti, no meu blog!

kiss kiss

Annie disse...

isso veio das entranhas. palavras bonitas! *

Su disse...

há sempre.................

(gostei)

jocas maradas

Merchi disse...

... estou rendido

Miss Sunshine disse...

´Não sei se por Schubert ou se pelo que li, mas palavra de honra que fiquei com a lágrima no canto do olho.

ηatalie αfonseca disse...

...como eu também! :)
Fico sempre depois do fim !
Por isso temos de combinar algo sim. Tens o meu contacto, é só apitar! :)

vita disse...

O fim ás vezes é o começo;)

Beijo jeitosa