quarta-feira, julho 21

Ocupada a viver. Nos últimos meses, a escrita faz-se num caderno pequeno, pessoal e intransmissível, um caderno cheio de vincos e rugas, um caderno com a lombada desbotada do uso. Anoto nomes, datas, números, murmúrios, algumas (poucas) convicções e muitas dúvidas. Duas linhas de vocábulos, minutos antes do início de uma sessão de cinema, uma linha de vocábulos minutos depois do término de uma partida de futebol da pré-temporada.
Frases soltas, muitas, e folhas rasuradas, também as há... Porque há memórias que não cabem na escrita, porque há amores superlativos que nenhuma palavra arrebata e porque há dores violentas que emudecem uma esferográfica. É difícil coagular uma vida em parágrafos.

6 criaturas afundaram esta pérola:

pinguim disse...

E é muito difícil transcrever alguns deles para aqui?
Seria muito bom...
Beijoquita.

lampâda mervelha disse...

Continua!

3RRR (Henrique Freitas) disse...

Gosto dessa escrita...

Jorge Pessoa e Silva disse...

Uma das dores que sinto, mesmo que passe tempos sem me 'lembrar' de alguém, é saber que um dia posso lá querer voltar e ela não estar.

beijinhos Pérola do Atlântico

PS - Desculpa de amanhã apanhares um desgosto. Ai Jesus... rs..rs..

Irascivel disse...

Continuo a ler as tuas não-actualizações neste espectro blogosférico sem pouco a acrescentar.

Nota: E o Roberto vai melhorando, estive atrás dele na 2ª parte contra os Lagartos....e o rapaz faz-se guarda redes. Talvez tivesses mais jeito para electricista, mas enfim.

Cheers Blue :)

Merchi disse...

... "ocupada a viver"! adorei!