quarta-feira, dezembro 9

Lost in Translation *

Ela sorri de forma honesta. Pousa a mão no meu ombro e diz-me que estou no caminho certo. Ele abana a cabeça em sinal de reprovação. Fixa os olhos no copo sujo de vinho tinto e diz-me que não estou no caminho certo. Recordo-os que há ainda outros dedos que indicam outros caminhos, e outras vozes que insistem que não há caminhos alternativos.
Acendo um cigarro, acaricio a chávena do café e ela repete que tenho que manter-me no caminho. Já ele, insiste no alerta: Não o faças, vais arrepender-te!
Eles debatem fervorosamente os caminhos, a magnitude da escolha, as condicionantes, as circunstâncias e outras teorias do cagalhão. Eu escuto em silêncio... O único pensamento que me assalta é: Que se foda o caminho!
Aborrece-me quando toda a gente parece ter alguma coisa a dizer sobre o meu caminho. E chateia-me ainda mais, que eu não saiba por onde porra eu caminho!


* Título usurpado a esta magnífica película.

4 criaturas afundaram esta pérola:

Woman Once a Bird disse...

Minha querida, o verdadeiro caminho está em inscreveres-te para o jantar. :)
Beso grande

Rute disse...

Adoro!

Ricardo Ramalho disse...

Ois Blue!!

Sempre tive amigos que gostam de opinar sobre a vida alheia e que opinam mesmo quando me estou a cagar para o que possam ter como opinião.

Portanto a metáfora dos caminhos é longa como o papel higiénico pode ser. Geralmente baseia-se no "se fosse a ti", e isso é geralmente igual a papel higiénico, e só serve para limpar o rabinho.

O caminho é o teu, seja ele qual for e é o caminho correcto, porque és tu que o fazes. O resto? São opiniões, e não tens que as ouvir se não te apetece.

Beijos!

PS: raio do teu Benfas anda a jogar bem... :P

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

"Lost in Translation" é um bom filme, mas para mim um tanto ou quanto sobrevalorizado.