segunda-feira, outubro 19

'Freud morreu. O caos reina'.

"Antichrist" de Lars von Trier



Tecnicamente roça a perfeição. Gainsbourg e Dafoe enchem a tela. É pena ser apoiado num argumento repugnante, cruel, misógino e demencial.


Espreite o trailer aqui.

7 criaturas afundaram esta pérola:

GANDALF disse...

Na minha qualidade de leigo em arte,apenas posso apreciar a beleza ou estética segundo os meus padrões....e gostei do que vi,bela foto.

Beijokas Magicas ;o)

Leonor disse...

Ainda não vi, precisamente porque "repugnante" foi o receio de reacção. E chateia-me porque gosto tanto dos actores principais, é que gosto mesmo!
beijuka e boa semana para ti

pinguim disse...

Lars von Trier é obrigatoriamente polémico.
Beijoka.

Nuno disse...

Querida Nádia,

Tenho andado um pouco arredado das lides bloggistas, mas há 3 ou 4 bloggs (o teu incluído ) que visito regularmente, como sabes... Já tinha visto o "new look" mas não tinha tido oportunidade de o comentar. Visualmente falando, e para quem só te conhece virtualmente, o look anterior tinha mais a ver com a Blueminerva, este new look tem mais a ver com a Nádia, que eu tenho a felicidade de conhecer pessoalmente.
No fundo o que importa é o conteúdo, e os teus posts seguem a linha a que nos habituaste: humor e irreverência (com algumas excepções para a melancolia...saudosismo )
Concluindo, continua um blogg...e tanto. Parabéns.

Beijos
Nuno

Maldonado disse...

Já ouvi falar desse filme, mas como disse o Pinguim, Lars von Trier é polémico.
Estou ansioso por vê-lo. ;)

Miss Sunshine disse...

Parece-me que o filme é um exercício no ensaio de Nietzsche "Genealogia da Moral".
É claramente interpretação artística de Lars von Trier da obra de Nietzsche. E sim, é perturbador e profundamente misógino.

Anónimo disse...

Para começar, o filme é tecnicamente irrepreensível. A nível fotográfico, som, direcção de actores e argumento não há absolutamente nada a dizer e arrisco-me a afirmar que se encontra entre os melhores filmes do ano a nível técnico. Lars Von Trier criou uma pintura viva, uma expressão artística soberba, com uma densidade emocional muito forte. Relativamente ao filme em si, é provavelmente o filme mais pesado que alguma vez vi. Se o último de David Lynch, "Inland Empire" me tinha deixado com um nó no estômago, "Antichrist", deixa-me com uma angústia indescritível e um desconforto demasiado extremo. Lars Von Trier explora a forma com que o ser humano lida com a dor e a perda. E explora esse misto de sentimentos : raiva, dor, angústia, desespero, com uma mestria como nunca vi (ou senti) no mundo do cinema. Apesar da violência explícita, não consegui deixar de ver esse uso de violência como uma metáfora para a psique humana.
Willem Dafoe e Charlotte Gainsbourg estão ambos soberbos, numa interpretação um quanto teatral (como é hábito de Von Trier), conseguindo uma dinâmica fabulosa.
O filme é uma experiência dolorosa e desconfortável, mas na minha opinião é um must-see, a obra-prima de Lars Von Trier e um dos melhores filmes de 2009.


Mmartinho