domingo, agosto 17

Carta à saudade

Sei bem que não vais ler esta carta, mas amor, tudo o que eu escrevo é para estar mais perto de ti.
Nunca falo de ti. A minha vida resume-se a antes e depois da tua passagem. Vives em mim sob a forma de um silêncio obsoleto auto induzido. Imponho o esquecimento aos que te conheceram e aos que não te conheceram permaneces no anonimato.
Nunca falo de ti. És uma espécie de higiene mental por consumar e no entanto, procuro-te avidamente em todos os homens que eu conheço. E de todas as vezes que encontro um vestígio familiar que me faça retornar a ti, esqueço-me de respirar...
Sabes amor, a voz do P. traz-te de volta para mim. O timbre sereno, grave e pautado é idêntico ao teu. Abstraio-me do toque, do cheiro, fecho os olhos e tenho-te de volta. Sei bem que esta relação não é mais do que uma tentativa frustrada de resgatar-te, mas embora não estejas por perto, estás presente.
Nunca falo de ti. E fica sabendo que também já não choro quando penso em ti. Tem vezes até, que sou invadida por um estranho contentamento. Saber-te mortificado pelos remorsos é uma indemnização.
Sabes amor, às vezes sinto que o cataclismo de sentimentos que és tu, é a prova provada de que afinal ainda estou viva. Deste-me tudo, mas roubaste-me o futuro e isso, não te perdoo.
Recebo e emito estímulos a cada segundo que passa porém, às vezes sinto que nada verdadeiramente me toca. Nada me prende a atenção por mais do que cinco minutos. Esta inércia é quase desalento.
Inquietas-me com frequência. Assaltas-me os pensamentos como um predador. Assento em silêncio, e nunca falo de ti... nem poderia, porque há coisas que só se conseguem falar quando já não dói.

38 criaturas afundaram esta pérola:

vita disse...

Nem sei que te diga querida.

Bonito e muito sentido, a vida tem destas coisas.
Desejo que sejas feliz.;)

Beijooo jeitosa

pinguim disse...

Muito pessoal, muito sofrido, muito humano...
Mais não digo, respeito muito a tua dolorosa saudade.
Beijo muito afectuoso.

Rocket disse...

não gosto de te saber assim.
nada.

como em tudo, adorava fazer algo. mas num comentário... enfim...

um beijo

Tá-se bem! disse...

O tempo pode curar muitas feridas..

É o que desejo para ti!
Beijo :)

D.Antónia Ferreirinha disse...

Não era para comentar, mas vou fazê-lo.
Revejo-me na maioria das palavras aqui escritas, com duas enormes diferenças:
1º- tu tiveste tudo eu tive somente uma cota parte;
2º- tu procuras todos os sinais idênticos, eu simplesmente desprezo-os.
Não ajuda, eu sei, mas o tempo é o meu maior aliado.
Beijinhos minha querida.

Sorrisos em Alta disse...

Ainda bem que não falas de mim.
Sou muito tímido e não gostaria nada de ver o meu nome associado a um blog!
;o))

Um bjoca na bochecha esquerda

Anónimo disse...

As suas palavras doem-me. Tanta sinceridade esmaga-me.

Respeitosamente

Joel Barbosa

Mlee disse...

Lindíssimo em tudo o que dói.
É muitas vezes assim - o que se escreve com o coração apertado a saltar da boca ... olha ...pode ser o princípio ... falaste dele ...
Beijos e aproveita o sol

Su disse...

como te entendo menina


eu spre desatenta, spre em silencio, spre a doer, a remoer....
nem qd durmo...........aqui entra "o vale das bonecas".....as quais fazem de mim quem não sou........

opsss

jocas maradas em silencio no tempo

Fernanda disse...

Lembra-te,...
Que muitas vezes é no meio do nada e do vazio, que decidimos ser felizes...
Nunca te esqueças disso,...
Vais ver que no meio da nossa ruina interior,...há sempre uma força que nos impede de vegetar,..e a vida aparece-nos azul e leve,...e não há manhã que não seja feliz e não há dia que não valha a pena...

Lembrei-me de te lembrar...:)))

Beijoca e bons pensamentos na Praia Dourada,...ficam sempre bem..:))

Catita disse...

encontrei o blog por acaso e resolvi infiltrar-me...
dizem que o tempo cura tudo, mas o problema é mesmo esse, o tempo- que pode ser umas horar , uns dias , uns meses ou até anos, e enquanto esse tempo que não fazemos a minima ideia o quanto pode durar nos corroi e dor lá continua.
é necessario muita força mas mesmo muita e viver um dia de cada vez, esperando que o amanha seja melhor e que o sol brile mais um pouco que ontem.

Rui Caetano disse...

Uma carta escrita com a sensiblidade do nosso querer é uma forma de estarmos juntos com os nossos sentimentos mais profundos.

MarTIC@ disse...

Esse sentimento, chamado saudade, às vezes faz-nos viver e crescer. Tanto nos pode esvaziar como encher. Encher de esperança de que nem tudo pode sempre correr mal.
Vivemos com saudades e recordações... mas vivemos!

Lindo e profundo! Gostei do texto e do blog também. Espero voltar.
X@u

Jorge Pessoa e Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Pessoa e Silva disse...

Cruzes, blueminerva, chegas a assustar-me. Nunca sei se me vais fazer rir, se me vais esmagar com a violência e nudez das tuas emoções, com a forma como carregas cada palavra de sentimento. Ninguém escreve assim se não for um vulcão por dentro, se não tiver todas as emoções à flor da pele.
Quase me apetece dizer que este texto é das coisas mais belas que já li na vida, mas até penso que seria falta de respeito dizê-lo por não me ser possível isolar as palavras do sofrimento de quem as escreveu. E porque, no fim de contas, apenas tu me importas.

Beijinho

Woman Once a Bird disse...

"(...) quando nos encontramos diante das repetições mais mecânicas, (...), fora de nós e em nós, extraímos constantemente delas pequenas diferenças (...)." Gilles Deleuze

À falta das minhas, deixo as dele, que ficas bem acompanhada.

Rute disse...

" porque há coisas que só se conseguem falar quando já não dói."

Sem dúvida! Muitos parabéns por o conseguires ;)

GotchyaYinYang disse...

Dá arrepios este texto... espero que deixe de doer rapidamente...

Nuno disse...

Já emiti a minha opinião em posts diferentes sobre o mesmo tema. Aperta-se-me o coração ao ler-te quando tens estes "ataques de nostalgia". Como pode alguém com 29 anos, guapa e inteligente, dizer que lhe roubaram o futuro!? Foda-se (pode dizer-se neste blogg?).

Beijos, guapa

GANDALF disse...

A vida tem destas coisas e consegue deixar marcas profundas e presentes ate ao fim dos nossos dias.
Palavras estão a mais em certos temas,como é este o caso.


beijos do Mago

Zb disse...

linda carta, menina, fica feliz e tem uma boa semana

beijinhos

Merchi disse...

... sentida & de dentro (o outro lado)

Miguel Noite disse...

Palavras de uma sinceridade e transparência tão grande.
Faz bem deitar isto cá pra fora.
Beijinho
Miguel

Ricardo Ramalho disse...

Uau...

Beijo :)

Su disse...

amiga passei para deixar.te uma palete de jocas maradas...sempre

Peter Mary disse...

Não te digo nada, não ha nada a dizer... que deixe de doer depressa, que se transforme numa recordação. Sei lá.

Tudo de bom, de optimo, de fantastico, do melhor e fica bem.

Beijos do país do chocolate

Peter Mary disse...

Não te digo nada, não ha nada a dizer... que deixe de doer depressa, que se transforme numa recordação. Sei lá.

Tudo de bom, de optimo, de fantastico, do melhor e fica bem.

Beijos do país do chocolate

Sancho Gomes disse...

Todas as cartas de amor são ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas. também eu, no meu tempo, escri cartas de amor como as outras, ridículas (...)
Fernando Pessoa

Apenas para de dizer que esta tua carta de saudade é igual às cartas de amor: ridícula. Mas, como conclui Pessoa, só quem nunca escreveu cartas de amor é que é ridículo.

Beijos ternos

Sancho Gomes disse...

Adenda: citei Pessoa de cor. É possível que existam imprecisões

MouTal disse...

Olá miúda...que se passa?
Já tenho saudades tuas.
Beijinho.

vita disse...

Só para deixar um beijinho..saudadinhas.;)

Sorrisos em Alta disse...

Entretanto, deixo aqui um sorriso para o fim-de-semana.
Para o fds? O caraças! Para ti!!!!

Anónimo disse...

"I was never one to patiently pick up broken fragments and glue them together again and tell myself that the mended whole was as good as new. What is broken is broken -- and I'd rather remember it as it was at its best than mend it and see the broken places as long as I lived."

Margaret Mitchel

blueminerva disse...

O excesso de fármacos dá-me pra escrever destas merdas... peço-vos comiseração.

Abraços povão

An Ambush of Ghosts disse...

Blue... o esforço de disfarçar aqui neste ultimo comentário acima foi giro.... Agora é que tu me comoveste.
Deixa-te de tretas e chora mazé... Chora até te sairem os olhos das orbitas,uma e outra e mais uma vez; qdo estiveres seca... vai caber qq coisa nova aí dentro, mas daquelas coisas a sério... não dessas só pra recordar dolorosamente como neste momento precisas. Chora praí. Dá-lhe com a alma! O mundo pode esperar, e sabes que mais? Tu tb.

Ou não teria sido Amor.

(Desculpa lá estas palavras mas... saiu-me.)

Violeta disse...

A dor, essa dor, é terrivel. Um dia passa, tem que passar.
Fica bem!

Parapeito disse...

Blue...faz bem lavar a alma....

agradeço as pérolas que deixaste no parapeito....são muitas para mim...vamos dividir : )****

Patti disse...

Vim lendo os posts, mas foi neste que parei.

Quando conseguíres prender a tua atenção por sete minutos, é porque estás quase lá, onde precisas.
São só precisos esses sete minutos, para tudo voltar ao normal.